Sabe aquelas cordas elásticas do bungee jumping? Elas são a nova sensação fitness nas academias do país em uma modalidade de treino que une dança, movimentos aéreos e acrobacias. A BUNGEE DANCE, foi lançada no Brasil em 2016, modalidade de dança aérea adaptada e registrada dessa forma pela fisioterapeuta e coreógrafa Juliana Stagliorio, e seu irmão, o educador físico Carlos Stagliorio, que uniram os seus conhecimentos em treinamento desportivo, reabilitação, anatomia, cinesiologia, biomecânica, fisiologia e dança proporcionando uma forma de se exercitar dinâmica, divertida, eficiente e segura.

De acordo com Juliana, foi da ideia de trabalhar com a dança em suspensão que a modalidade acabou surgindo para ela. “Assistindo vídeos sobre dança em suspensão me deparei com a utilização de cordas elásticas ao invés das estáticas. Adorei! Intensifiquei as pesquisas e descobri grupos que trabalham com isso em Liverpool, na Tailândia e em Nova Iorque. Esse último se destaca pela característica artística e técnica apurada. Ainda em 2016, fomos aos EUA conhecer como o equipamento era utilizado nas academias de lá, e foi quando pudemos conhecer e nos aprimorar com Karen Fuhrman, um dos maiores nomes da dança aérea, com mais de 20 anos de experiência. Em seguida iniciamos o processo de aprimoramento da modalidade no Brasil, já adaptada às nossas necessidades e unindo os nossos conhecimentos técnicos”, diz Juliana, que é instrutora e coordenadora técnica da BUNGEE DANCE.

A fusão da arte da dança com a técnica do bungee surgiu há gerações na Inglaterra. A ideia caminhou, chegou na Europa, Tailândia e EUA, passando por aperfeiçoamentos e, até mesmo, ganhando adaptações que tornaram possível ir além da utilização performática da modalidade, praticada agora também como uma forma divertida de atividade física. Alguns movimentos da aula fitness inspirada no esporte radical lembram a yoga, o pilates e o treino funcional e nem mesmo os acessórios utilizados em algumas dessas práticas, como as bolas suíças, ficam de fora da modalidade.

BENEFÍCIOS

“As cordas elásticas tornam movimentos complexos em ações suaves e divertidas, capazes de fazer qualquer um sentir vontade de praticar.  Sustentados por uma cadeirinha semelhante à de alpinismo, os praticantes têm a sensação de leveza e flutuação com as cordas e possibilidades infinitas de movimento sozinho ou em dupla. “A aula de BUNGEE DANCE pode ser trabalhada com diversos estilos, atendendo todos os alunos.  Podemos ir do estilo clássico ao despojado, sem necessidade de técnica apurada, e também, do treino suave, com sensações de voo e leveza, ao treino intenso, com grande gasto calórico.”

Com os movimentos, se trabalha força muscular, flexibilidade, agilidade, equilíbrio, confiança, memória, sem falar nos benefícios cardiovasculares e a redução de impacto que possibilita a prática até mesmo por pessoas com algumas limitações. Não há restrições sobre idade, gênero ou biotipo, mas pessoas com hipertensão, glaucoma, diástase abdominal, hérnia inguinal, hérnias na coluna e síndrome do reflexo vaso vagal devem ter autorização médica.